Um marco histórico na vida do país

Lei da Ficha Limpa, Um marco histórico para o Brasil
Um marco histórico na vida do país, assim é a lei que veda o registro de candidaturas para cargos públicos por cidadãos que possuam antecedentes jurídico-criminais.

Mais importante do que saber votar, é lembrar em quem votou e acompanhar a vida política do eleito. É comum pesquisas mostrarem que pouco tempo após o pleito uma grande maioria não se lembra em quem votou.

Porém não existem pesquisas acerca de quantos já ouviram falar sobre veículos de comunicação como A Voz do Brasil ou TV Senado, ou mesmo de qual é a parcela da população que acompanha a política nacional.

Mais do que o representante dos interesses da coisa pública, o funcionário do Estado pode ser comparado a um funcionário de cada um de nós. E como tal, deve atender nossos interesses coletivos, e não a interesses de uma minoria bem relacionada.

Estudos sobre o comportamento humano mostram que a maioria dos funcionários com pouco tempo de casa transbordam motivação, ao passo que os mais velhos podem até ser mais produtivos, porém a experiência adquirida pode vir junto com o desinteresse e os “macetes” para trabalharem menos.

Na vida pública não é diferente, as velhas caras raramente apresentam inovações, exceto quando precisam “mostrar serviço” (eleições próximas) ou querem aumentar o próprio salário.

O Brasileiro sabe que tem o poder de colocar e tirar seu governante, como fizeram os caras pintadas, mas a geração de hoje idolatra o bandido e repudia o policial. Só a educação pode fazer o futuro do país, mas como vivemos no país do futuro, a educação é adiada para o amanhã. É mais fácil tratar os sintomas que a doença, Um ano letivo a mais na etapa educacional que representa a base da formação resolve o problema? Não seria mais fácil aumentar a carga horária diária. Qualificar os professores é melhor que reprovar os alunos, ensinar direito para não ensinar de novo, mas não aprovar de qualquer jeito para maquiar a foto.

Para quem cria a lei, deveria ser essencial o conhecimento sobre a lei, mas são raros os Legisladores com bacharelado em Direito. É um absurdo, mas existem até semi-analfabetos legislando.

Tal contexto infelizmente acaba evidenciando o executivo e o judiciário, sendo que o mais comum é a falta de caráter e comprometimento com a nação por parte do legislativo.

Quem faz a lei é fiscalizado por ela, o bandido vigia o bandido. É lícito usar o avião pago pelo contribuinte por quem deveria representar os interesses deste, por parentes e amigos de deputados? Sim, infelizmente, porém não é ético e nem leal. Práticas como estas são comuns pelos que deveriam criar leis para agilizar a justiça, que além de cega fica engessada, são muitos os recursos e as brechas na lei que evidenciam o problema.

Qualquer presidente pode ser o melhor do mundo se tiver aliados, prestígio, e principalmente ser for fiscalizado de perto por seus inimigos e eleitores, fatores que influenciam diretamente na eficácia do governo.

Nenhum comentário: